Decoração, Mercado de Arte

Porcelana Azul e Branco: Decoração Clássica e Atemporal

Atravessando a implacável ação do tempo, peças incríveis de porcelana chegaram ao nosso alcance. Antes reservadas apenas ao longíquo império Chinês, a produção de um novo estilo ganhava o gosto do mercado europeu, que viajaria em suas grandes embarcações e caravanas, promovendo o primeiro contato de uma futura globalização.

Na China, o primeiro contato com a cor azul nas cerâmicas ganhou relevância durante a Dinastia Tang (618-907). Esta tonalidade tinha origem no cobalto, que vinha diretamente da Pérsia, um commoditie comercializado ao longo da Rota da Seda. Sendo um “ingrediente” escasso no período em questão, e portanto caro, era usado apenas em quantidades limitadas. A Dinastia Tang é reconhecida principalmente pelo seu esmalte característico: Tang Sancai, que se traduz literalmente em Três Cores – amarelo, verde e um branco/creme.

No decorrer do tempo, as técnicas foram aprimoradas e até mesmo as variadas colorações de azul poderiam dizer muito sobre o período em que as peças foram fabricadas. Nas Dinastias Yuan (1279-1368), Ming (1368 – 1644) e Qing (1644-1911), principalmente, diferentes tipos de cobalto e outros métodos de aplicações determinavam as diferentes tonalidades de azul dispostas nas porcelanas azul e branco.

A Rota da Seda

É estimado que a famosa Rota da Seda teve início durante a dinastia Han (206 A.C – 220 D.C), quando o Império Ottomano se fechou para comércio com o Mundo Ociental. Atravessando cerca de 6.637 kms, passando por paisagens formidáveis, como o Deserto de Gobi e a Cordilheira de Pamir, a Rota da Seda não era uma estrada convencional e sim um emaranhado de possíveis caminhos, dentro de uma rota principal. Não havia um governo ou órgão oficial que mantivesse e zelasse pela Rota da Seda, sendo assim, o caminho era árduo, repleto de dificuldades e, como era de se imaginar, ladrões. Para se proteger, os comerciantes viajavam em caravanas, com animais como camelos. Conforme o uso da Rota da Seda foi se desenvolvendo, surgiram hospedagens para os viajantes, o que tornava a viagem um pouco mais confortável.

Diversos tipos de mercadoria eram comercializados na Rota da Seda, como seda para vestir os nobres e a realeza europeia. Outras mercadorias que vinham da Ásia eram pedras preciosas, como jade, chás, temperos e… porcelanas. Na contramão, recebiam do Ocidente cavalos, peças de vidro, tecidos e etc.

A troca cultural era imensa na Rota da Seda. Ideias e religiões eram passadas de forma fluída pelo caminho. Diversas cidades multiculturais se desenvolveram ao longo da Rota. A troca de itens, como os cavalos recebidos pela China, foram essenciais, por exemplo, para a conquista Mongol do Império Chinês. A pólvora, desenvolvida no Oriente, foi fundamental e mudou completamente a forma de se fazer guerra no Ocidente.

Cobalto Importado

Apesar de na Dinastia Song (960 – 1279) ter se desenvolvido ainda mais as peças de cerâmica monocromáticas, o uso do azul cobalto era considerado quase impossível pelos ceramistas. Foi apenas durante a Dinastia Yuan (1279-1368), regida pelos Mongóis, que a produção da porcelana azul e branca atingiu a maturidade. É interessante notar que as tonalidades azul e branco eram, de forma religiosa, muito importantes para o povo Mongol. Reza a lenda que os ancestrais místicos dos mongóis eram o Lobo Azul e a Corça Branca. Dado o alto valor dessas tonalidades, as porcelanas que as continham eram usadas apenas em ocasiões especiais ou como presentes diplomáticos.

Durante a Dinastia Yuan, eram utilizados os tons de azul cobalto ditos Samarra Blue e/ou Sumatra Blue. Por sua composição ser rica em ferro, foi criado um efeito, de certa forma não-intencional, chamado de Heaped and Piled, que pode ser traduzido como algo similar a “amontoados e empilhados”. Neste efeito, é possível observar um azul muito escuro (quase preto) acumulado em alguns pontos.

Prato de Porcelana decorado com Carpa, tonalidades azul e branco – possível notar o efeito Heaped and Piled .
China, metade do século XIV.
Imagem do MET Museum
Imagem do MET Museum

Cobalto Nacional

No período Hongwu (1368-1398), o fornecimento de cobalto importado foi brevemente interrompido por várias restrições ao comércio exterior. O cobalto extraído localmente, que se distingue por uma alta proporção de manganês, passou a desempenhar um papel cada vez mais dominante após o período Xuande (1426-1435). Do período Chenghua (1465-1487) ao Zhengde (1506-1521), o cobalto local produziu uma cor azul mais suave e pálida.

Christie’s – Jarra Azul e Branco. Chenghua (1465-1487)

Minyao e Guanyao

Estes termos determinam a quem eram destinados as produções de porcelanas. Min (povo) e Yao (porcelana/cerâmica) eram toda porcelana que não era designada, ordenada ou feita para os Imperadores. Enquanto Guan (autoridade) eram porcelanas destinadas aos Imperadores. Peças Guanyao podem atingir valores muito mais altos que Minyao, mesmo o segundo tipo já sendo bastante apreciado no mercado de antiguidades. É raro ouvir esses termos, mas se aparecerem, estes são os significados.

Maximalismo e a Decor Azul e Branca

Após um recheado contexto histórico, desembarcamos no século XXI. Diversas trends vem e vão, como minimalismo, decor escandinava, e outros possíveis modismos, mas de uma coisa sabemos, as peças azul e branco nunca saíram de moda ou perderam valor. Seja com uma decoração dedicada à estas tonalidades, ou com uma pincelada pontual em locais estratégicos, Azul e Branco segue sendo a cor divina para o povo Mongol, como também um coringa aos decoradores. É possível criar um ambiente totalmente clássico, ou uma casa de verão despojada, e até mesmo uma ousada composição maximalista.

Aqui mencionamos o maximalismo, pois estamos acompanhando desde 2020, o renascimento de um “Neo-Maximalismo“. Não se trata de um acúmulo descabido de itens desconexos, mas sim a curadoria de itens interessantes, quer seja por seu valor histórico, social, de mercado ou simplesmente, que faça sentido ao proprietário. Neste tipo de decoração, sempre vemos algumas peças de porcelana azul e branco em um mix muito interessante, agregando valor a composição.

Uma coleção para chamar de Sua

Aproveitando todo o misticismo do número 08, dia 08/08/22 lançaremos a primeira coleção do Casa 8 Home. Nesta curadoria, selecionamos peças de porcelana azul e branca muito especiais. Teremos aproximadamente 35 itens, que vão desde a Dinastia Qing, período Kangxi (1662-1722) até século XX. Fique atento, pois as peças são únicas e podem se esgotar rapidamente. Não esqueça de ler atentamente as condições/estado de conservação dos itens. A primeira imagem deste post é um preview das peças da coleção. Esperamos que gostem!

Voltar para lista

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *